ABTCP 2020

9º ICEP

Apresentação

A América do Sul é atualmente a maior produtora mundial de celulose de mercado branqueada de eucalipto. Nosso continente está se tornando o centro nervoso da produção de celulose de eucalipto globalmente. Portanto, a América do Sul deve liderar as iniciativas de pesquisa, desenvolvimento e inovação, não apenas na produção e utilização de celulose de eucalipto, mas também em biorrefinaria integrada à fábrica de celulose.

Uma iniciativa importante para apoiar o aumento significativo da capacidade e as necessidades de pesquisa e tecnologia na América do Sul foi a criação do Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto no ano de 2003, que se tornou um fórum importante para discussões sobre produção e utilização de celulose e energia a partir do eucalipto. O 1º Icep – sigla em inglês para International Colloquium on Eucalyptus Pulp – foi realizado em Viçosa, no Brasil, em 2003, com foco no rendimento da celulose de eucalipto, branqueamento e estabilidade de alvura. O 2º encontro aconteceu em Concepción, no Chile, em 2005, e enfatizou a qualidade da madeira e a biotecnologia. O 3º ocorreu em Belo Horizonte, no Brasil, em 2007, com foco na qualidade e produtos da celulose de eucalipto. O 4º evento foi realizado novamente em Concepción, tratando de produtividade e qualidade. O 5º ocorreu em Porto Seguro, no Brasil, e focou enfatizou focando em processos de biorrefinaria, integrados à indústria de celulose de eucalipto, com produção de combustíveis líquidos e sólidos, materiais e produtos químicos. O 6º ocorreu em Colonia del Sacramento, no Uruguai, e teve como foco a produção de celulose, papel, energia, biocombustíveis e outros bioprodutos à base de eucalipto. O 7º ocorreu em Vitória, Brasil, e enfocou a produção de celulose e energia a partir de florestas de eucalipto. O 8ª ocorreu mais uma vez em Concepción e abordou os novos produtos do eucalipto.

O 9º Icep acontecerá em São Paulo (SP), Brasil, em outubro de 2020, concomitantemente à realização do “53º Congresso Internacional de Celulose e Papel”, organizado pela ABTCP (Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel). O 9º Icep se concentrará em expandir o espectro de aplicação da celulose e lignina. Em outras palavras, a fábrica de eucalipto funcionando como eficiente produtora de celulose e bioprodutos será amplamente discutida neste importante evento, que deve reunir mais de 300 pessoas.

O evento terá 12 sessões distribuídas em três dias, focadas em novos desenvolvimentos em vários assuntos relacionados à produção de energia e celulose de eucalipto, incluindo: (1) melhorias em florestas de eucaliptos para a produção de celulose; (2) avanços na avaliação da qualidade da madeira de eucalipto; (3) biotecnologia aplicada à celulose e a outros produtos de madeira; (4) biorrefinarias de celulose; (5) avanços na aplicação de lignina; (6) avanços na química da polpação; (7) avanços na química do branqueamento; (8) novas tecnologias para polpação e branqueamento de celulose; (9) avanços na recuperação de licor preto; (10) tecnologias para produção de fibra de eucalipto de alta resistência para embalagens; e (11) avanços no controle ambiental de fábrica de celulose de eucalipto.

O comitê organizador tem a honra de convidá-lo para contribuir e participar do 9º Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto.

Objetivos do 9º Icep

O 9º Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto (9º Icep) será realizado em São Paulo (SP), Brasil, com foco expandir o espectro de aplicação da celulose e lignina. A 9ª edição do ICEP será realizada em conjunto com o “53º Congresso Internacional de Celulose e Papel”, organizado pela ABTCP (Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel). O comitê científico está organizando um programa técnico bem equilibrado, que deve estimular discussões animadas entre os delegados e agregar valor significativo aos participantes. Este evento se concentrará em novos desenvolvimentos em vários assuntos relacionados ao eucalipto, incluindo temas como:

Melhorias em florestas de eucaliptos para a produção de celulose e energia;
Avanços na avaliação da qualidade da madeira de eucalipto;
Biotecnologia aplicada à celulose e a outros produtos de madeira;
Biorrefinarias de madeira;
Integrando a fábrica de celulose às biorrefinarias;
Avanços na química da polpação;
Avanços na química de branqueamento;
Novas tecnologias para polpação e branqueamento de celulose;
Desenvolvimentos na recuperação de licor preto de alta energia;
Uma nova visão sobre a matriz energética da fábrica de celulose;
Tecnologias para produção de fibra de eucalipto de alta resistência.